23/12/2008

"Sem título"


Enquanto eu vinha andando , consertando a calça , ela me olhava , e nossos olhos brilhavam . Passei na roleta do metrô , e a abracei . Era muita a saudade . Deu vontade de nunca mais soltar . Mas eu soltei . Vinha eu , ela e Frederico, andando pela rua . Ela vinha segurando o presente que eu lhe dera , tinha gastado todo dinheiro que eu tinha . Ela vinha balançando a caixa , tentando adivinhar o que tinha dentro .
Quando chegamos na casa dela , ela correu para o quarto , abriu a caixa e saiu gritando , pra mostrar pra sua mãe o que tinha ganhado . Sorriu , vestiu , mas ficou apertado . Que se dane , é a cara dela , e depois eu vou trocar .
Ficamos horas matando a saudade uma da outra , tirando foto , conversando , andando .
A chuva caiu , a chuva parou , eu nem via o tempo passar .
Quando nos demos conta , já eram sete da noite , o pai dela chegou , e eu tive que ir embora .
A gente vinha no carro , tentando conciliar meu aniversário , o dentista dela , e a vontade da minha mãe de me mandar pro shopping , porque não queria fazer bolo pra mim .
Ficar sem ver ela me da muita saudade , independente da quantidade .
Agora fico lembrando as vezes que ela repetia que o tempo passava rápido comigo , o quanto que eu gostava da minha presença ali e como ela estava feliz .
Com ela eu me sinto bem . Com ela o tempo passa rápido .
A gente se conhece a pouco tempo , mas parece que eu ja a conheço desde o dia que eu nasci .
Minha amiga ruiva doida , do namorado esquisito , que eu amo . Nunca vou em esquecer de você e do seu hambúrguer de microondas , quer dizer , do Cosmo . ♥
Melhor de todas .
Faça o seu comentario!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© 2014 Conspiração Vital - Todos os Direitos Reservados | Design por Ceres Bifano, Diagramação por  Matheus Pacheco.