14/06/2010

Sobre Ladrilhos e Ônibus

Amanhã de manhã eu quero acordar às 6 da manhã, me olhar no meu espelho grande do banheiro, vestir meu uniforme azul-marinho, colocar minha mochila laranja nas costas, e sair porta afora.; exatamente às 6:30.
Quando abrir o portão, a primeira coisa que eu quero ver é meu poste ainda acesco, no meu passeio, fazendo par com a minha castanheira pouco frondosa pelo outono. Meu passeio. Quantas vezes eu não me sentei ali. Quantas vezes não tomei chuva, não chorei, não amei... ali.
Descer a rua calçada com pedras grandes, devagar, por mais que estivesse atrasada; curtindo cada centrímetro da rua que um dia eu quis ladrilhar.
Quero, passar no portão da sua casa, e pensar: "Mais tarde eu passo aqui.". Atravessar a passarela do metrô, observando as grades amarelas, deixando que as lembranças tomem conta de mim.
Cerrar os olhos pra conseguir ver as horas na torre do relógio, jogar os cabelos para trás.
Esperar, subir e curtir o ônibus. É, o ônibus. Olhar, da janela suja, a vida alheia, que se repetia, dia após dia, certeira. E eu amo ver aquilo. O cara da moto, o semáforo, o cobrador, o motorista. A televisão ligada na Globo dentro da lanchonete.
Descer do ônibus, respirar a poluição do centro da cidade, passar na frente da igreja; ver um aglomerado de pessoas com a mesma roupa que eu.
Beijar, abraçar, "Bom Dia!".
Como eu quero chorar. Chorar, só por lembrar. Lembrar de quem estaria ali. Quem eu quero ver, quem eu quero sentir. Que raiva que me dá de saber onde eu quero estar, e não poder!
Me sinto idiota. Nove e meia da noite sete-lagoana. Amanhã de manhã, farei tudo o que não quero fazer.
Só hoje, por favor, me deixa voltar pra lá?
E que diabos é você que me impede de estar?
Quero você, calçada. Quero você, poste. Quero você, castanheira. Quero você, espelho; e tudo o que viria em vossa consequência.
Pelo menos, agora. Só hoje.
Só pra parar de doer.

6 comentários:

  1. Queria poder acordar amanhã em 2007. Tirar a bunda do sofá, passar pelas portas até o portão, atravesar as ruas até sua rua, sentar na pedra que tem ao lado do portão da sua casa. Colocar minha perna em cima da sua coxa e mostrar minha meia listrada verde com preto e o meu all star cano alto enquanto você tira foto disso. Mas são 2:57 da madrugada belo-horizontina, e a belo-horizontina 'naturalizada' setelagoana não está assim tão perto para voltar a um mês qualquer de 2007 ..

    ResponderExcluir
  2. Querer voltar. É, acho que deve ser horrivel ;~

    ResponderExcluir
  3. aaaain, brigada, e to me apaixonando por cada postagem, xx

    ResponderExcluir
  4. Que lindo seu texto, é exatamente o que a gente sempre quer. Mas não pode ter: voltar no tempo. na boa, amei *-*
    to seguindo (:

    ResponderExcluir
  5. Tocante. Depois ainda dizem "querer é poder"
    Será?

    bj

    ResponderExcluir

© 2014 Conspiração Vital - Todos os Direitos Reservados | Design por Ceres Bifano, Diagramação por  Matheus Pacheco.