15/07/2010

E só


Tenho a sensação de que o que sai dos meus dedos, da minha cabeça, da minha boca, do meu coração não pertence a mim; pertence a eles próprios, simplesmente.

Vontades que pertencem à próprias vontades, fome que pertence à própria fome. Até a sensação de estar perdida, sem lugar, pertence à ela mesma, de modo a me entregar, de mão beijada, de bandeja, à minha eterna e presente alienação.

Minha vontade de me apaixonar à sexta vista (não à quarta, à terceira, ou à primeira), medo de dar errado, de não fazer, da saudade que mata, da roupa que não serve, da ansiedade, e do desejo de morte temporária. E só.

E o "só" é capaz de me deixar um "nada", de me deixar um "desespero".Empurrar a cama sonho a fora, abraçar o travesseiro de um jeito de fim de semana, amar como se fosse a ultima das semanas, se contentar com a falta de coerência e coesão, não ligar pra ambiguidade, e só. Só.

3 comentários:

© 2014 Conspiração Vital - Todos os Direitos Reservados | Design por Ceres Bifano, Diagramação por  Matheus Pacheco.