29/05/2012

29 de maio


A saudade está tomando conta de onde a tristeza já está.
É a hora que a gente sente que vai começar a sofrer; ou pelo menos, admitir que já sofre.
É quando as horas vão passando devagar o bastante para enxergar o que se perde nitidamente.
É quando os batimentos cardíacos aumentam esperando um 'eu te amo' antes do findar da ligação.
É quando, simplesmente, não sabemos o que fazer.
E quando simplesmente, nada fazemos.

Letras



Bruna esparramou-se no sofá da sala enrolada em um cobertor velho. Pousou a xícara de café na mesinha ao lado e abriu o livro. Não queria mais pensar, não queria mais se distrair. Estava cansada do mundo, cansada de suas responsabilidades, de ser um ser humano, de ser mulher. Queria experimentar o não-viver vivendo outra vida. Queria ficar de fora, apenas observando os outros, ou simplesmente ter o prazer de desistir de prosseguir com os caminhos de sua vida quando quisesse.
            
O frio arrepiava sua pele enquanto seus olhos seguiam cada frase do livro. Teve certa dificuldade para se desligar do tique-taque do relógio inquieto da sala. Estava um silêncio infinitamente prazeroso, e mesmo assim o tique-taque não parava. Era o tempo passando. Bruna sabia que poderia sentir o maior e mais inocente dos prazeres e o tempo jamais pararia de persegui-la. Preciso tomar uma decisão da minha vida, pensava. Ficar inerte não vai mudar nada.
            
A garota pensou em seus problemas, pensou nas possibilidades, pensou no porquê não estava entendendo a história que estava lendo. Voltou alguns parágrafos e obrigou-se a imaginar cada movimento da protagonista. Obrigou-se a imaginar cada emoção da protagonista. Obrigou-se a sentir uma empatia interativa, pois ela precisava ser a personagem para compreender as razões por trás de tudo.
            
Bruna tomou um gole de café e seus olhos não pararam mais. Frase após frase, sentia a ânsia de seguir o desenrolar de sua nova vida para enfim descobrir o final. Tudo faria sentido no final. Dentro de algumas horas esteve então em lugares que ela nem ao menos sabia imaginar direito. Deve ser truque da escritora, pensava, descrever pouco para deixar a imaginação de cada um interpretar o resto. Bruna então julgou pessoas que nem sequer existiam, mas que de alguma forma lhe lembravam alguém. Talvez conhecidos, amigos, ou talvez ela mesma.
            
Cada página virada era uma nova tragada de ar, cada passo adiante na história era uma nova sensação de encher seus pulmões de algo que não podia ser só oxigênio. Era algo melhor, era uma tranquilidade que lhe invadia aos poucos por poder não ser ela mesma. Era a tranquilidade de viver e ser alguém que não era ela, uma sensação de poder largar essa vida a qualquer momento e nunca mais voltar. Mas Bruna estava gostando dessa vida. Havia muitas pessoas desagradáveis e personagens tolos, mas ela gostava deles afinal.
            
Ela já não ouvia mais o tique-taque do relógio, mas sabia que ele não cessou. Nada parou, mas de alguma forma a garota se sentia suficientemente anestesiada. Sentia a vida em suas mãos, um livro aberto contendo a primeira grande descoberta do Homem. Quantos mil anos já não haviam se passado e continuava sendo fonte de cada vez mais descobertas! E afinal Bruna compreendeu, no descobrir de si mesma das páginas dos livros. Aos poucos seus problemas se desanuviavam e ela por fim conseguia ver a saída, a solução para tudo o que lhe incomodava. E a cada nova letra devorada por seus olhos, ela podia enxergar o mundo com maior clareza.

22/05/2012

Aprendizagem




Eu os amava de uma forma que a nós mortais não estava permitido amar. Cada um de nós era um sopro de vida expelido por um coração em chamas. E quando nos juntávamos, algo soava grandioso... podíamos sentir que era uns com os outros onde deveríamos ficar. Éramos um grupo que chamava atenção, e todos do grupo queriam a atenção um pouco mais voltada para si. Tínhamos uma sede de imperadores que em tempos de crise se aliaram para enfrentar a guerra.

Mas a guerra éramos nós. Sempre havia confrontos internos e mesmo assim um governo não conseguia ficar sem o outro. Éramos crianças descobrindo desde cedo o gosto amargo da vida e mesmo não gostando, não conseguíamos nos desapaixonar desse viver. Era uma descarga de cafeína na alma. Não conseguíamos ficar parados, estávamos sempre fazendo algo de errado com uma aura de isso-vai-dar-merda.

Éramos apaixonados pelo terrível medo do perigo. Estávamos sempre nos arriscando. Sabíamos que esse tipo de vida era uma merda que não valia a pena e mesmo assim botávamos tudo a perder. Seria coragem ou covardia viver no limite do medo por um simples grupo de amizade que às vezes era inclusive posto em dúvida se amizade o era?

Isso não é ser amigo, botavam as pessoas na nossa cabeça. As pessoas, em especial os professores, realmente adoravam encher nossa cabeça. Por alguma razão, nossa pequena sociedade anarquista acabara se subdividindo-se. O tempo nos separou enquanto nosso tamanho crescia. E todos nós lamentamos pelo tempo que se foi, pois mesmo sabendo que nosso estilo de vida era ruim, afinal descobrimos que todos os nossos sentimentos e experimentos foram verdadeiros. E disso ninguém que não fizera parte do movimento pode falar, e o que aprendemos juntos professor nenhum ensina.


16/05/2012

Ilustrações de Liz Clements


Liz Clements é um ilustrador freelancer Inglês que manda super bem em trabalhos com persangens tatuados.
Eu o descobri exatamente em uma página do face sobre tatuagens, e achei o máximo!





São um amor, não são? Dá vontade de mandar imprimir e fazer um pôster!
Se quiser conferir mais ilustrações, estes são a Fan Page e o Tumblr dele. ;)

15/05/2012

Playlist da Semana
























Bom, para conseguir levar a vida corrida com calma, nada como uma boa música, não é? Não posso dizer que sou eclética (só ouço músicas mais lentas), mas achei legal dividir com vocês as músicas que eu mais ouvi nesses dias! Vamos lá?





















Qual vocês mais curtiram? Temos o gosto parecido?

O imperador está de volta



Você me encontrou. Após todos estes anos e as nossas caminhadas em direções diferentes e distantes rumo aos nossos respectivos destinos, você finalmente me reencontrou. Você continua o mesmo, embora agora porte uma aura e um histórico muito mais grandiosos. Eu não teria mais coragem de me aproximar de você nestes novos tempos, nestas novas circunstâncias. Mas você o fez por mim.
            
Como se nada tivesse acontecido, você chegou e me cortejou, exatamente como antes. Ainda se lembrava de todas as coisas que eu gosto, assim como eu me lembrava de todos estes nossos segredos que nunca deveriam ter acontecido. Tão errado, tão perigoso! E por isso mesmo tão excitante... viciante.
            
Você ainda se lembrava do quanto a sua mera aproximação sempre fora tão irresistível para mim; do quanto isso sempre me acendia uma chama nos cantos mais profundos e até nos mais ínfimos do meu ser. Chama essa forte e poderosa o suficiente para me calar irrevogavelmente; eu estava sempre quieto quando você estava perto. Uma quietude inquieta, impossível de ser controlada.
            
E em todas as vezes que meus lábios se relutavam a me obedecer, seus olhos me devoravam como um gigantesco leão que, superficialmente envolto por seus parlamentares, subitamente se via de encontro a uma presa perfeita. Vulnerável, aprisionada. E a cada encontro dos nossos olhos, minha garganta muda se incendiava, meu peito ardia em agonia implorando por um salvador. Mas eu, por alguma razão, não conseguia tirar os olhos de você; meu peito havia encontrado o seu grande salvador.
            
Era hipnótico, e talvez por isso mesmo tão insano. Eu nunca me dera conta do quanto tudo isso era arriscado. Não podíamos ser vistos às escondidas, tudo tinha que ser público -- superficialmente público. Era um escândalo grande demais para ser arriscado, uma faca riscando nossa garganta em peças por jogos de poder. Tanto poder, e não poder. Ter o seu poder em minhas mãos, e não poder te ter; ter o seu corpo junto ao meu, e não poder nada mais do que esconder. Estar sempre na palma de suas mãos também, e não poder.
            
E agora você está de volta, para arriscarmos tudo novamente. Para aquelas noites aquecidos e encobertos pelas cobertas, com todos dormindo ao nosso redor; aquelas manhãs sob as águas de uma chuva que eu jamais deveria ter conhecido. Uma água que nunca deveria ter me tocado, um calor que nunca deveria ter perpassado pelo meu corpo. Entretanto, cá está você de volta: de volta para os meus braços, e eu de volta aos seus. De volta ao meu corpo que sempre pertencera a ti, e eu ao teu que sempre pertencera a mim também. Você voltou para o meu conforto, voltou para os segredos do meu peito; e eu voltei para os seus, para o seu carinho, para o seu desejo. Para a sua pele, para o seu cheiro.


05/05/2012

Inspiração:Parede

Estou louca para fazer alguma coisa diferente no meu quarto, e todos nós concordamos que a parede é uma boa pedida, não é?

(Sem falar que viram lindos cenários para suas fotografias!)

Estava pesquisando algumas fotos para ter uma ideia de por onde começar e achei legal dividir algumas com vocês:


Aposte em:

  • Cores Neutras 
  • Fotos em P&B, coloridas, sépia e etc. juntas
  • Desenhos e pinturas à mão
  • Molduras com cores em tons pastel
  • Pássaros
  • Posters
  • Textos com mensagens positivas
  • Capas de revista
  • Papel de parede
  • Adesivos (compre aqui)
  • Cabides
Eu estou pensando em recortar em revistas as letras e montar uma frase na parere, e vocês?

04/05/2012

Música do dia: Volcano

Sabe aquela música que você ouve uma vez e se apaixona para sempre?
É essa.



No canal do cantor, você encontra meus outros amores em forma de acordes.

Para quem não conhece, Damien Rice é um cantor, instrumentista e compositor irlandês. Ex-integrante da banda Juniper. Embora com poucos álbuns gravados e sem fazer muitos shows por ano, tornou-se mundialmente conhecido com o sucesso "The Blower's Daughter" que integrou a trilha sonora do filme Closer, e com a qual o público brasileiro está familiarizado devido a uma versão em português, intitulada "É isso aí", gravada pelos cantores brasileiros Seu Jorge e Ana Carolina.

Que é essa (linda demais também):

Além dessa, outras canções de Damien Rice estiveram presentes na trilha sonora de outros filmes e séries para televisão.
O cantor também contribui em causas humanitárias e ambientais, que inspiram várias composições.

Se apaixonem por Damien Rice também esse fim de semana.

Simbologia das Doenças










Depois de dar uma sumida no blog, resolvi que seria legal falar de uma coisa diferente do convencional.
Você já parou pra pensa em como as doenças surgem no nosso organismo? Por que algumas doenças ocorrem com algumas pessoas e outras não? Qual é o motivo disso tudo?

Pensando nisso, alguns estudiosos se dedicaram a descobrir a simbologia das doenças psicossomáticas (psico- mente; soma- corpo, que significa doenças do corpo e da mente).
Ou seja, descobrir a fundo os motivos das doenças, levando em conta a mente do paciente.

Olhando assim parece muito complicado mas acho que se você acredita pelo menos em horóscopo, vale a pena dar uma conferida.

Se você apresenta algum problema físico, é importante perceber qual aspecto da vida está deixando de fluir adequadamente. A doença é a manifestação dos conflitos interiores. Antes de ocorrer a somatização (ou seja, a manifestação da doença no corpo), a pessoa apresenta problemas de ordem emocional, como angústia, depressão, medo, etc. Essa condição interna é um aviso de que sua atuação na vida é inadequada a seu temperamento. Ela acusa a postura embaraçosa de alguém que está se boicotando em favor dos outros e se desviando de seu verdadeiro ser. Esse mecanismo existe para alertar e não para castigar. Desse modo você poderá perceber o mal que está fazendo para si mesmo. Apartir do momento que há um reposicionamento interior, resgata-se a harmonia e conseqüentemente a saúde.

A cura é uma combinação do tratamento físico com o reposicionamento interior. Do mesmo modo que é importante procurar o médico, também é necessário investigar ascausas emocionais. Uma vez reparada a condição interna, o tratamento físico se tornamais eficaz.

A seguir, algumas doenças e seus significados.

GRIPE OU RESFRIADO: CONFUSÃO INTERIOR, DESPREPARO PARA LIDAR COM AS MUDANÇAS, FALTA DE CONFIANÇA NO NOVO.

RINITE: ABALAR-SE PELAS CONFUSÕES DO AMBIENTE, NÃO SE PERMITIR ERRAR, ADOTAR UM COMPORTAMENTO EXEMPLAR.

SINUSITE: PROFUNDA IRRITAÇÃO COM ALGUÉM BEM PRÓXIMO, DECEPÇÃO PROVOCADA PELAS EXPECTATIVAS.

LARINGITE: IRRITAÇÃO POR NÃO CONSEGUIR MANTER SUA FORÇA DE EXPRESSÃO, FRUSTRAÇÃO POR NÃO FALAR O QUE PENSA.

ASMA BRÔNQUICA: SENTIMENTO DE INFERIORIDADE DISFARÇADO PELO DESEJO DE PODER E CONTROLE DO AMBIENTE.

PNEUMONIA: CANSAÇO DA VIDAIRRITAÇÃO POR TER SE DOADO MUITO AOS OUTROS SEM HAVER A TROCA.

ENFISEMA PULMONAR: MEDO E NEGAÇÃO DA VIDADIFICULDADE DE ENCARAR OS OBSTÁCULOS.

TOSSE: REPRESSÃO DOS IMPULSOS AGRESSIVOS E DESEJO DE ATACAR.

RONCO: TEIMOSIA, NÃO ABRIR MÃO DE SEUS VALORES OU PONTOS DE VISTA.

NÁUSEA E VÔMITO: RESISTÊNCIA E RECUSA ÀS SITUAÇÕES.

AFTA: AUTOPUNIÇÃO, SENTIR-SE DESPREPARADO E NEGAR A PRÓPRIA CAPACIDADE.

ESTOMATITE: SENTIR-SE INVADIDO E NÃO CONSEGUIR SUSTENTAR SEU PONTO DE VISTA.

Se você se interessar, fazer uma pesquisa sobre o assunto vale a pena; dá pra entender bastante coisa sobre nossas doenças. Uma boa dica é o livro de onde eu tirei essas definições, o Metafísica da Saúde, de Valcapelli e Gasparetto.

Leia-o online e faça o download dele clicando aqui.


02/05/2012

Rehab nos Fios

Com o combo azeite + maionese você consegue deixar seu cabelo mais macio, sedoso e brilhante (de verdade!). A oleosidade do azeite e o ovo da maionese têm o poder de hidratar qualquer tipo de cabelo profundamente.

Vamos lá?

Com o azeite

1- Espalhe o azeite ao longo do comprimento dos fios, evitando a raiz (se não ela acaba ficando oleosa demais, deixando o cabelo pesado). Use a quantidade dependendo do quanto seu cabelo está ressecado.
2- Prenda-o em um coque para que os fios fiquem juntos, e permaneça por umas 6 horas.
3- Passado o tempo, enxague bem o cabelo, e para os oleosos e mistos, o shampoo é válido.

Dica: Passe o azeite no cabelo antes de dormir, assim você dá tempo para fazer efeito e não fica com o cabelo cheirando azeitona por ai!

Com a maionese

1- Lave bem seu cabelo, usando de preferência, um shampoo de limpeza profunda por umas duas vezes. Ele abrirá as cutículas do seu cabelo, preparando-o melhor para a hidratação.
2- Passe a maionese em toda extensão dos fios, evitando a raiz. Aqui a quantidade também depende do estado do seu cabelo, coloque o quanto te deixar satisfeita.
3- Coloque uma touca e fique assim de 1 a 2 horas.
4- Enxague os cabelos com água e use um shampoo hidratante para retirar o excesso e o cheiro da maionese.

Dica: Você também pode colocar o azeite junto com a maionese para potencializar a hidratação!

Gostaram das dicas? Eu sempre faço as duas, e garanto que dá certo!

01/05/2012

Keep Calm and...


De mensagem de incentivo na II Guerra Mundial, para mania na internet.

Keep Calm and Carry On foi um pôster motivacional produzido pelo governo britânico em 1939, início da II Guerra Mundial, para ser usado somente se o nazismo conseguisse invadir a Grã-Bretanha. O cartaz foi distribuído apenas em número limitado. Em 2000, uma cópia deste pôster foi redescoberta na Barter Books, um sebo na cidade de Alnwick, na Inglaterra. A criação agora está em domínio público, e pode ser vista na decoração de ambientes. O criador do cartaz, infelizmente, não é conhecido.

Mas agora serve de incentivo para causa que você defenda. 
Quantos você conhece?

© 2014 Conspiração Vital - Todos os Direitos Reservados | Design por Ceres Bifano, Diagramação por  Matheus Pacheco.