06/04/2013

O Fusca


Fiquei muito feliz quando conseguimos comprar o fusca, um pouco antes de nos casarmos. Fiquei ainda mais feliz porque você não parava de sorrir seu sorriso lindo. Eu estava sentada no banco do passageiro, passando as mãos na sua nuca e sorrindo de volta. Depois de puxarmos a cauda do vestido para dentro do carro apertado, fechei a porta e me ajeitei no banco de couro. 

Você deu a partida no carro deixando os convidados para trás, que acenavam com movimentos rápidos com as mãos. Nossos amigos e família estavam animados. Nós também. Me virei para despedir de todos enquanto acenava de volta e você os olhava pelo retrovisor. Quando estávamos a uma certa distância me sentei novamente, e entre uma marcha e outra você segurava a minha mão esquerda, ou repousava a sua na minha perna - mesmo com tanto pano.

Íamos calados, mas meu estômago estava saltando. Meu Deus, pensei. Estávamos casados. E eu não sabia para onde você me levava. Te olhava pelo canto do olho, para ver se tinha uma pista para onde você dirigia tão, mas tão feliz. E nada.

Algumas horas, beijos, risadas depois e eu nem se quer tinha reconhecido o caminho. Era praticamente um sequestro, e eu nem tive o trabalho de perguntar para onde você me levava, porque não importava. Ali com você me sentia segura, feliz, e não tem lugar nesse mundo que vá mudar isso. 

Então, me leva. Acelera nosso fusca e o meu coração. 

No meu turbilhão de pensamentos, você segurou minha mão um pouco mais forte. Olhei para você num átimo. E depois, para frente. Mal tinha me dado conta que havíamos parado. 

Lembrei da vez que te contei que havia anos que eu não ia na praia. E eu sei que você também não. Era fim de tarde, o céu tinha cores quentes bem pertinho da água. Descemos do carro de mãos dadas. Fazia um frio gostoso e você me abraçou de lado, por cima dos ombros, encolhendo perto de mim. Coloquei minhas têmporas no seu peito, querendo derreter, só para ficar ainda mais perto.

Ficamos sentados na areia olhando a água até anoitecer, e depois voltamos para o fusca. Me sentia boba passeando por ai com um vestido de noiva enorme, cheio de tule que passei meses escolhendo. Você sussurrou no meu ouvido que tinha outra surpresa para mim. Me encolhi no banco de novo, mas dessa vez adormeci. E descobri que tudo o que sonhei, a vida inteira, era realidade.

6 comentários:

  1. Que texto lindo, que inspiração ^.^ amei amei

    Te indiquei para uma tag, caso queira particpar é só conferir http://invernoinparis.blogspot.com.br/2013/04/tag-conhecendo-um-pouco-mais.html

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi linda, eu adoro tags, vou dar uma passada lá. Beijinhos

      Excluir
  2. Adoro. Você escreve muito bem. Tem muito talento!
    Beijos
    Luíza
    http://cademeuchapeu.com

    ResponderExcluir

© 2014 Conspiração Vital - Todos os Direitos Reservados | Design por Ceres Bifano, Diagramação por  Matheus Pacheco.